1 de janeiro de 2007

Por que o sujeito da foto precisa de um blog?

"Nos nossos dias, lemos novos livros demais ou, então, somos oprimidos pela preocupação dos novos livros que não temos tempo para ler; lemos muitos livros, porque não podemos conhecer pessoas em número suficiente; não podemos conhecer todas as pessoas que, para nosso benefício, deveríamos conhecer, visto que, muito simplesmente, há gente demais. Assim, se tivermos a habilidade que nos permita poder escrever e a sorte de ter quem nos publique, comunicamos pela publicação de mais livros. De modo geral, só podemos ignorar os livros da autoria de escritores que temos a boa sorte de conhecer; e, quanto melhor os conhecermos pessoalmente, menos sentiremos ser necessário ler o que eles escrevem."

Mais um ano tem início, e minhas expectativas pessoais para o mesmo incluem uma maior quantidade de novidades do que as proporcionadas pelos anos precedentes. Não satisfeito com isso, resolvi acrescentar-lhe mais uma: esta aqui. Criei um blog. Ótimo! Mas pra quê? É o que pretendo explicar neste texto inaugural; e não é o que se pode considerar muito fácil de se explicar.

As palavras que transcrevi acima foram extraídas de um livro muito interessante chamado Notes towards the definition of culture, sobre o qual provavelmente ainda escreverei neste blog. Seu autor é o inglês T. S. Eliot (1888-1965), um sujeito que sem dúvida alguma entendia muito de livros e textos em geral, como ficou demonstrado por suas atividades como editor, crítico literário, poeta, ensaísta e dramaturgo, numa brilhante carreira que foi coroada pelo Nobel de Literatura em 1948.

Hoje, quase seis décadas depois, não é necessário ter tanta sorte para ter quem nos publique; a internet está aí e, como vocês estão vendo, qualquer zé mané pode criar um blog. Mas Eliot está perpetuamente correto, penso eu, quanto a ser a comunicação direta, oral, pessoal, infinitamente superior e preferível à comunicação por escrito, devendo esta ser encarada apenas como um substituto precário diante da impossibilidade daquela. No meu caso, essa necessidade provém de razões diversas. Uma delas é que tenho uma facilidade muito maior para me comunicar por escrito. Pessoas que só travam contato comigo pessoalmente não fazem idéia do tamanho que meus e-mails podem atingir, assim como pessoas com quem só me comunico por escrito não fazem idéia do quanto sou quieto e introvertido na vida real. Quem me vê debatendo no orkut talvez tenha dificuldade em me imaginar como o sujeito tímido que presencia em silêncio quase todas as discussões entre amigos por pura indisposição de dialogar com três ou quatro pessoas ao mesmo tempo. E bem poucas das pessoas que convivem comigo saberiam dizer o que passa pela minha cabeça naqueles momentos nada raros nos quais sou flagrado no mundo da lua. E para os que não convivem comigo, é claro, a principal barreira é mesmo puramente geográfica.

Dadas essas condições dificultosas, em grande parte impostas por minha própria personalidade, acredito que a comunicação escrita é uma solução natural, embora no meu caso as causas do problema sejam muito diversas das que Eliot tinha em mente. Fosse eu tão tagarela ao vivo quanto sou por escrito, e provavelmente poderia dispensar este luxo. Mas no momento ele me parece sumamente necessário; tanto que não sei como não tive essa idéia antes.

Devo dizer, desde já, que tudo o que será dito neste blog enquadra-se em um tema muito bem definido: aquilo que eu achar importante dizer no exato momento em que estiver escrevendo. Nenhuma outra restrição além dessa está nos meus planos. As justificativas que adoto para uma delimitação tão pouco delimitadora são bem simples, e são basicamente três. A primeira é que não vejo motivo algum para impor regras desnecessárias sobre mim mesmo. A segunda é que cultivo já há muito tempo uma paixão assumida pela generalidade; a idéia de ser um especialista em seja lá o que for não tem para mim nenhum atrativo. A terceira razão decorre da segunda, e é de ordem essencialmente prática: suponhamos que eu resolvesse falar sobre um assunto específico. Nesse caso, qual seria? Meditando sobre essa questão, descobri rapidamente que não há assunto algum do qual eu entenda o suficiente para dedicar-lhe exclusivamente um blog. Sou obrigado, portanto, a apostar na variedade dos temas, sob pena de ficar rapidamente sem ter nada interessante para dizer.

Em vista de tudo isso, minha proposta é discorrer sobre todos os assuntos a respeito dos quais eu tenha conhecimento suficiente para ter o direito de dizer algo e interesse suficiente para achar que vale a pena dizê-lo. Em resumo, minha meta é retratar a realidade (tomando essa palavra no mais amplo sentido possível) tal como ela me parece ser. Não digo "como ela é" porque me sinto neste exato momento tomado por um ataque súbito de humildade socrática, e também porque é justamente a minha simpatia pelos métodos de Sócrates e seus seguidores que me forneceu o motivo mais forte para a criação deste blog.

Para explicar por que estou dizendo isso, farei uma breve recapitulação histórica. Acho que já faz uns dois anos que minha amiga Priscila, tendo lido um texto que escrevi, sugeriu que eu deveria escrever e publicar certas coisas que me passavam pela cabeça. Na época, embora me sentindo lisonjeado pelo elogio implícito nessa sugestão, recuei horrorizado diante da sugestão em si, convicto de que fazer tal coisa seria pretender um cargo de mestre, ao invés de me contentar em continuar sendo o aprendiz que eu realmente era.

Num certo sentido, este blog é a resposta longamente estudada à sugestão da minha amiga, sugestão da qual ela mesma talvez já não se lembre. Mas não é que eu tenha repentinamente sido promovido a mestre e me julgue agora apto a ensinar. Pelo contrário, minha mudança de atitude deve-se, antes de tudo, à descoberta de que colocar as idéias pra fora é um excelente método de aprendizado. E aprendi isso justamente com aqueles veneráveis mestres socráticos. O nome disso é "dialética"; não a de Hegel e Marx, mas a de Platão e Aristóteles, cujo nome menos pomposo é, simplesmente, "diálogo".

Vejo agora que expor opiniões, debater concepções, compartilhar conhecimentos - enfim, colocar a cara a tapa - é uma excelente maneira de aprender, e não apenas de ensinar. Assim sendo, devo confessar que meus objetivos ao criar este blog são primariamente egocêntricos: é claro que ficarei feliz se alguém aprender algo lendo o que escrevo, mas estou mais interessado nas reações que meus textos vão gerar, e no que vou aprender com elas.

Esses esclarecimentos também eliminarão, penso eu, qualquer mal entendido quanto à minha pretensão de retratar a realidade. Li em algum lugar que Leonardo da Vinci, influenciado pelo neoplatonismo, almejava pintar um quadro que retratasse o Absoluto. Não tenho tal pretensão, até porque não levo o mínimo jeito para a arte, por mais que minha mãe ache lindos os meus desenhos dos tempos de escola. Mas mesmo num sentido puramente não-artístico, o máximo que posso fazer é pintar fragmentos dispersos daquela fração da realidade que está diante dos meus olhos, embora num esforço constante para que esses fragmentos esbocem tão nitidamente quanto possível um todo coerente.

Não se trata, portanto, de retratar com perfeição, e sim de fazer tantos rascunhos que, aperfeiçoando-me pela prática constante, eu venha a retratar cada vez melhor. Para isso, três coisas são necessárias: primeiro, enxergar direito; em seguida, encontrar um bom ângulo de visão; e, finalmente, ter suficiente habilidade com as mãos para retratar o que está sendo visto. É isso o que pretendo adquirir com este blog: uma melhor percepção da realidade, uma maior sabedoria para interpretá-la na perspectiva correta e uma melhor capacidade de transmitir tudo isso, através das palavras, às pessoas que passarem por aqui.

Pode-se ver que não julgo de modo algum ter atingido a excelência em algum desses aspectos. Este blog nada mais é do que parte de um projeto que consiste, essencialmente, em aprender fazendo. Pode ser que daqui a alguns ou muitos anos eu releia tudo e ache uma tremenda porcaria, repleta de simplificações, ingenuidades, futilidades e tosquices. Não ficarei triste se isso vier a acontecer. Aliás, é justamente o que eu espero que aconteça. A ausência de tal percepção seria um sinal inequívoco do fracasso total deste empreendimento a que agora dou início.

17 comentários:

Pérsio disse...

Olá André.
Muito bom o seu texto. Gostei mesmo.
Pelo menos creio que atingiu o objetivo proposto logo nas suas palavras inicias, a de explicar (e muito bem por sinal) a finalidade do Blog.
Achei interessante um detalhe entre outros detalhes igualmente interessantes:

"minha amiga Priscila, tendo lido um texto que escrevi, sugeriu que eu deveria escrever e publicar certas coisas que me passavam pela cabeça. Na época, embora sentindo-me lisonjeado pelo elogio implícito nessa sugestão, recuei horrorizado diante da sugestão em si, convicto de que fazer tal coisa seria pretender um cargo de mestre..."

Fiquei imaginando sua reação, a sua cara, quando ela te disse isso.
Resumindo: bom blog e estarei sempre lendo-o e comentando-o, pois aprender com seu blog, com certeza irei.

Abraços

Pri =) disse...

Oi André! Vim conferir seu cantinho aqui! Bem vindo ao mundo blogueiro hehe... Beijinhos e feliz 2007!

Pri =)
http://illusionwords.blogspot.com/

Anônimo disse...

E ai Andrezinho ...hahahahha Kra show de bola "sua primeira publicação" heheeheh gostei de ler essa sua perspectiva sobre suas ideias e meios ao qual vc veio a criar este blog...espero mesmo que vc continue escrevendo sempre pois eu estarei sempre lendo heheheheh .....com a sua permissão é claro (apesar de ser extremamente publico hehehehe).
Abraços.
Rogério Massato Inoue (Kondo)

Ota disse...

Olá André,
Tudo bem com você?
Cara, eu não sei como fazer a dicordancia deste texto. Realmente, como você mesmo me disse, acreditava você que eu não discordaria.

Meu amigo, acho que dessa vez eu devo, em um momento raro de blogueiro inexperiente que eu sou, concordar contigo e dizer que fico feliz com sua empreitada nova mas nem por isso não bem pensada.

Espero que atinja seus objetivos traçados para o blog e que sua visão esteja muito bem apurada, assim como seu posicionamento e sua habilidade com as mãos em transcrever os fatos do seu ponto de vista.

Além disso, como não estou discordando de você deste post, como era de se esperar, também espero que seu ponto de vista seja sempre oposto ao meu por motivos de discordância!

Fica aqui o parabéns pela iniciativa ja esperada e a expectativa de grandes discussões blogueiras

Um grande abraço.

Anônimo disse...

bem vindo a blogsfera... jah tinha feito esse comentario, mas nao tinha aparecido...

priscila disse...

eeeeeee!!!! claro que vc tinha que começar o tão esperado e receoso blog dia primeeiro de janeiro! claro! este é o andré(zóvines)!!! hahahaha seja bem vindo! e que suas idéias venham despertar-nos! tou muito feliz e ansiosa!!! manda vêêêêê!!!!! :)
qto a sugestão: é claro que me lembro e dela ainda não desisto até para outros fins e vc sabe quais! haiausha :) bom, é uma honra! ;)
até breve amigo!
beijim!!!

Tati disse...

Oi André! Muito legal a idéia do blog! E muito bacana o seu texto! O seu blog já tá adicionado no meus favoritos. Aproveitando a deixa, feliz 2007! Tudo de bom pra você!! Bjos!

Anônimo disse...

Esse cara é o meu melhor irmão... deu para perceber porque eu sou fã dele, né ?

Tenho certeza de que esse blog será muito construtivo não só para você André, mas para todos que aqui buscarem aprendizado. Parabéns !!!!

Marco Vinhola disse...

Olá André. A interação através de um blog é algo extremamente interessante. Uma forma de expressão de idéias muito prática e objetiva. Muito bom seu texto.
Abração

Marcio Kogos disse...

Cara, como eu disse pra você antes, espetacular essa ideia sua de blog. Texto interessante, com conteúdo, mesmo sendo apenas um texto introdutório.
Espero encontrar grande variedade de temas, como você falou, porque, com sua cultura, você tem condições de discorrer sobre qualquer assunto.
Abraço

Nagel disse...

Bem vindo à blogosfera. Cheguei aqui pelo seu perfil no Orkut.

Passo por aqui mais vezes.

kelly Susuki-.- disse...

sem duvida..estou mais q feliz pla concretizão deste seu blog!...
tenhu certeza d q, vc é um atraves dele, continuara sendo, este "instrumento precioso", no ato d levar as pessoas a refletirem atraves dele, dos assuntos citados aki...

VC TEM UM DOM..e DEUS ESTA TE AJUDANDO A EXERCER!

q ELE continue te abençoando mtuu, meu kerido!

-.-

Metralha disse...

E aí Bichona!

Li seu texto introdutório e acho desnecessário comentar minha admiração por seu excelente desempenho ao escrever.
Agora sei porquê você quis montar um blog e com certeza o fluxo de aprendizado não será unidirecional (Sei que você não quis dizer isso. E sei também que você sabe que eu sei que você...).

Com a frequência de um post por semana acredito que não serei capaz ler todos, mas acho que posso dizer que passarei por aqui de vez em quando e, é claro, com a certeza de satisfação garantida.

Um grande abraço e nos falamos pessoalmente semana que vem.

Kid Zunto disse...

Fala Andrezin! beleza?

Antes tarde do que nunca. Aqui stou. Muito interessante sua idéia de fazer um blog com a intenção de expor suas idéias. Colocar nossos pensamentos para fora de alguma forma causa uma sensação muito boa, principalmente quando temos opiniões diferentes ou conflitantes sobre algum assunto ou comportamento que vai contra a conduta imposta pela nossa sociedade.

Pensando sobre as palavras inicias do seu texto, compartilho da idéia de que uma conversa tête-à-tête sempre é mais engrandecedora do que um punhado de textos e artigos. Principalmente
porque nem sempre o autor consegue transmitir em sua totalidade o que pretende pelo simples fato dele não saber colocar as palavras. E justamente pela sua falta de clareza em expressar suas idéias que acabamos classificando o livro como ruim. E claro, o contrário também é válido. Outro motivo que me vem na cabeça nesse momento é que um livro dependendo do tema,
pode remeter a várias nterpretações. Uma conversa direta com o autor eliminaria esse tipo de situação. Nesse caso, teríamos a certeza sobre a mensagem que o mesmo gostaria de passar.
Como na maioria das vezes não teremos essa oportunidade, como você frisou bem, os livros estão aí.

Ainda lendo seu post inaugural, achei muito bacana sua intenção de falar de generalidades
pois como você tem um perfil eclético, vindo provavelmente pelos simples fato de ter interesse em aprender e conhecer sobre as coisas, acredito que essa vai ser uma experiência bem legal (ler seus textos). Pelo menos para mim. Também tenho um grande interesse sobre uma gama de assuntos, embora eu não tenha lido dez por cento da quantidade de livros que você conhece. Mas enfim, como minha curiosidade é nata, espero a medida que os posts forem sendo colocados aqui, que nós possamos este blog como um canal de comunicação mesmo, para debatermos e conhecermos outros pontos de vista sobre o tema que você abordar. De minha parte vou procurar fazer isso sempre que possível.

Bom, vou parando por aqui para não precisar abrir um blog para meus exibir meus comentários! hehehe...
Parabéns pela iniciativa! e parabéns pelo texto. Gostei bastante da forma como escreve.
Não sabia que você escrevia tão bem, apesar de saber que você sempre leu muito. Mas eu não deveria ficar, afinal é constatado que a leitura aumenta o vocabulário e a capacidade
de argumentação. Seria a leitura e escrita seriam vetores L.D.? Olha meu subconsciente me chamando
pra estudar algebra linear. Bem, deixa eu ir de uma vez então.

Abraços
Kid Zunto!

Anônimo disse...

Olá!
Gostei muito do seu blog, ele tá muito interessante. A forma com que escreve e o que escreve, seus argumentos, deixam o texto muito agradável de se ler, afinal compensam todo o tamanho dele...rsrs

Seria legal se você encontrasse uma "pessoa pós moderna" para criticar o primeiro texto.
Acredito que muitos de nós tenhamos algum pensamento que venha a esse encontro, provindo dos meios de comunicação ou de outras formas, como o autor mencionado, que tinha incorporado a idéia sem sê-lo.

Beijo amiguinho!
Camila

Chaia disse...

Oi!
Meu portugues nao é tao bom assim, mas farei todo o possivel por escrever sem taaaantos erros...
Achei este blog sem querer, procurando aquela música do Chico Buarque no Google. Fiquei lendo um pouquinho, e gostei muito deste primeiro texto de apresentaçao, com o qual concordo num 100%.
Com a sua liçensa (é assim que se diz??) vou por o seu blog na minha lista de Favorites para olhar de vez en quando.

Tudo de bom para voce, e ve se continua assim!

Anônimo disse...

Por que nao:)